....

segunda-feira, 4 de abril de 2011

A QUINTA FASE DA LUA


Atravessei o vale da noite

Com a alma pendurada no olhar

O sorriso amarrado à cintura

Nas pernas o tombo do cansaço

De quem bebia à volta do prato

E picava as migalhas

Sob um convite lunar

Quando os cabrões me deixaram

Os restos mortos de um planeta

Meditei-me na intensa escuridão

Sobre o sossego espaçado

Da quinta fase da lua

Insanidade profetizada

A erigir bandeiras

De palavras prostitutas


Isenta de afectos

Reapareci-me

Nessa quinta fase

De uma lua ignorada

Efeitos colaterais

De Lugares Santos.


Manuela Fonseca


3 comentários:

Armando Sena disse...

Muito bonito. Sensual a forma, a silhueta criada pelas palavras no texto.

Natalia Nuno disse...

Muito bonito, valeu a pena vir até cá.
Beijinho amiga.

Anónimo disse...

Simplesmente fantástico !É de uma beleza, e sabedoria desconhecida, pk a sabedoria conhecida, nao sabe escrever assim. Só tu, alguem que sente com o coração e nao com a cabeça, consegue passar para palavras o que sente sem hesitar nem por um segundo, palavras essas unicas e sábias, vindas da tua alma. Já não tenho palavras para o descrever, apenas sei que o senti profundamente. Beijinhos da tua nora, Ana Dias