....

sábado, 11 de setembro de 2010

As Duas Faces do Sonho


Sentas-te à beira do caminho
Que atravessa a minha aldeia
Pela alvorada
Vês-me sair com o rebanho
Para o Outeiro
Levando na mão o cajado
Que é maior do que eu
E no coração
Os meus sonhos de infância…

Quando passo rente a ti, sem te ver
Decifras no meu olhar
Algo que me é indecifrável
Observas-me o corpo
Pequeno e robusto
Desprovido de graça e beleza
Movendo-se com pressa
A caminho do Outeiro

“ Que levará ela no pensamento?
Coisas sonhadas
E o sonho de que algum dia as viverá?
Ela que não tenha ilusões…
As coisas sonhadas são só sonhos
Retardados e amarelados pelo Tempo.
As que nós, um dia, viveremos
Essas sim, serão as realidades
Parecidas com os nossos sonhos… “

Eu sei…

E pelo caminho
Ouves-me assobiar uma cantiga semelhante
À que a tua mãe canta à noite
Ao adormecer o teu irmão.
Não estou contente nem triste.
Para mim, a Vida não tem mais sentido
Do que aquele que eu lhe dou

Sento-me na pedra lisa do Outeiro
Sem pensar que ela existe
E o que vejo todos os dias
Todos os dias é como se o visse
Pela primeira vez.
E o meu rebanho
Que pasta sem conhecer outro Outeiro
É feliz por isso…

Por não conhecer outro Outeiro.

Manuela Fonseca

2 comentários:

Létinha Sá disse...

...lindo poema
parabéns!

xis létinha

nereida disse...

Oh, Manuela ...quase que pude ver sentir e ver a paisagem e a leve brisa que tocava o rosto da pastora... Lindo, amiga! Bj. Nereida.