....

terça-feira, 8 de julho de 2008

A loucura dos andaimes que me frisam o rosto



A loucura dos andaimes que me frisam o rosto de telas pintadas de suor

As vozes de impropérios que me açoitam os sentidos à passagem das minhas memórias

A morte atiçada em tombos quebrados e amordaçados de terra batida

A bucha que se divide em mãos calejadas e assobios alongados



A tua loucura é o meu bastão

A tua morte são as lágrimas prematuras

A tua memória já não permanece


A vida que passa ao lado das gravatas deslocadas na pressa

Alivia o peso dos teus amortalhados ombros

A tua hora será recordada por poucas lembranças

A vida foi contigo… acompanhada do teu negro olhar


Manuela Fonseca

8 comentários:

ROSA E OLIVIER disse...

Mas há a vida
que é para SER
intensamente vivida,
há o amor.
Que tem que ser vivido
até a última gota.
Sem nenhum medo.
Não mata.

!?...se souber de quem é o poema...ofereço o seu peso em ouro!

ROSA E OLIVIER disse...

..."e cheia de paciência...ponho-me a sonhar"...para além daqueles montes...há outras gentes outras fontes...uma manuela como eu...a sonhar...a sonhar..."Sobre as ondas, Tranquilas, do Oceano
Pousa, Serena, a Nau de Brancas velas..."e este!?...

ROSA

Rose disse...

belos poemas tens aqui, cada um mais encantador que outro...

o poema Por Amor no blog de Rosa e Olivier é meu sim, como podes ver nos créditos e ñ é um dueto, se foi a este poema que se referiu no teu comentário na Nave deles.

voltarei para te ler mais.


abraços

Rita Carrapato e Fatima Sarnadas disse...

Muito intenso o seu texto.
Vou continuar a visitar o seu blog e espero que fomente esta partilha.
Obrigada pelas suas palavras.

Fátima Sarnadas

Rita Carrapato e Fatima Sarnadas disse...

Manuela
Se eu fosse uma palavra
seria a palavra obrigada
para lhe poder agradecer.

Muitas vezes uso a poesia para descarregar os meus sentimentos.

Com um beijinho da
Daniela Geadas

Rita Carrapato e Fatima Sarnadas disse...

Obrigada mais uma vez pela visitinha ao nosso blogue.

Não quererá partilhar connosco as histórias que um dia escreveu? Eu gostaria muito de as ler. Não sei se é por trabalhar com crianças, tenho um grande fascínio por histórias infantis. Na minha estante, elas ocupam um grande e carinhoso espaço.

Rita Carrapato

Nilson Barcelli disse...

Excelente cara amiga, mais um poema ao teu melhor nível.
"A morte atiçada em tombos quebrados e amordaçados de terra batida"
Tens várias passagens que são criatividade da melhor. Esta é apenas um exemplo.

Beijinhos.

Marta Vasil disse...

"A loucura dos andaimes que me frisam o rosto de telas pintadas de suor"

Há telas pintadas do mais lindo suor.

Parabéns pelo excelente poema, pela maneira com que nos faz sentir cada palavra.

Marta