....

domingo, 3 de janeiro de 2010

Non Multa, Sed Multum


Já era tarde quando espreitei a rua pelas persianas entreabertas e o que mais me chateava era estar sempre incomodada com a ausência, à qual nunca me habituaria. Fechei os olhos e voltei a enrolar-me no cobertor castanho deixando escapar um sorriso de braço dado com uma lágrima.
O meu filho mais novo acordou e, esfregando um olho, rabugento pediu-me um copo de leite. Levantei-me, passei a mão pelo cabelo e peguei-lhe ao colo com todo o meu amor. Bebeu o seu leite e adormeceu nos meus braços, como todas as noites. Com cuidado, deitei-o na sua caminha. Eram tão lindos, os meus três filhos! Tão inocentes no seu sono tranquilo e profundo… Na casa de banho molhei o rosto com água fria e mirei-me ao espelho. Tão magra, olheiras profundas que emolduravam os meus olhos verdes e tristes. “Vou-me deitar, já passa das 2 horas da madrugada”. Nem sempre é fácil decidir.

Non Multa, Sed Multum

Há dias terríveis. Literalmente negativos. Uma porcaria de dias em que tudo nos corre mal! As coisas saem-nos ao contrário do que planeámos, os objectos caem-nos das mãos a toda a hora, e sabe-se lá o que mais. Depois, brota o mau humor, disparado às golfadas, a derreter a paciência de qualquer um que nos dirigiu uma piada inocente, sem má intenção. As horas decorrem sob aquela maldita tensão, atrás da qual se escondem razões que mais não são do que verdades caladas. À hora do almoço, os putos discutem, porque um tem isto e o outro não tem aquilo! “ Eu também quero! “ Como se o dar fosse um gesto sistemático e sempre a duo. Quando saem, é o silêncio. Porém, a tensão continua encurralada a um canto da mente.
À noite, as coisas pioram. Depois das aulas, vêm os TPC. Um diz que não tem, o outro quer ir para a rua. Volta suado. Sujo. Com pulseiras de elástico corrente, no pulso esquerdo. Os amigos também têm, é claro! “ Já para o duche! “ O mais novo, trouxe um teste para assinar. Amanhã, a reunião com a directora de turma. Lentamente, a tensão aprofunda-se…” Não é justo! “ Desabafo, baixinho. Desesperada. Sim, porque o pai pegou na “ mala de cartão “ e abalou para o outro extremo do Mundo e quem cá ficou que se desenvencilhe!
É claro que eu não concordo com este tipo de vida. Digo que é coisa de pobres. Um misto de cobardia e incompetência patriotas. Porque se há-de pensar tanto no futuro, virando costas ao presente? Será que toda essa preocupação não é apenas uma imperiosa necessidade de afirmação pessoal? “ Sejamos sinceros, valha-nos isso! Basta de tretas, actos impensados, sacrifícios inúteis. No fim, um punhado de dólares na mão e és um homem a sério! Não importa se deixaste algo para trás, momentos por viver. Tudo isso se recupera tão depressa, não é? E quando voltares, lá estaremos nós à tua espera no aeroporto para ver a tua cara de homem a sério! É a vida… Pobre teoria! “ Eu escrevo, tentando libertar-me daquela velha angústia e solidão. Inalteráveis. O que se perdeu, está perdido. O que vier depois disso serão momentos novos. Interligados aos velhos, é certo, mas absolutamente novos.
E o sofrimento do mal que isso faz, fica-me cá dentro do peito. Como uma lapa que se incrusta no rochedo… E, em dias não, sobe-me ao pensamento para me lembrar que o bem do amanhã me custará o mal do hoje.
“ Ainda hei-de ser muito feliz! “ Acredito mesmo nisso? Sei lá… Sei que acredito em poucas coisas, mas que todas elas têm algo de importante. “ Non multa, sed multum “…


Manuela Fonseca

4 comentários:

direitinho disse...

A vida faz-nos dar passos sem vermos se os finais são melhores ou piores,para nós ou a nossa família.
A sua situação não é boa, mas a dele ainda será pior.
Aqui ainda tem os filhos que a preocupam e a preenchem. E ele ...?
Quantas horas de trabalho, de privações de solidão para voltar depois com algum fruto para repartir!
Nunca fui emigrante, mas visitei-os em França e na Alemanha e só lhe digo: É muito duro......
Vi como viviam lá... para ter cá...
Desejo-lhe toda a força para saber ser mãe e pai ao mesmo tempo.
Que os seus meninos se lembrem de um pai que luta para que nada lhes falte.

Anónimo disse...

pois é vida complicada ,tanta coisa aqui exposta ,tanta verdade ,a vida danos surpresas sem que por elas nos apercebamos apesar de tudo a luta continua......três lindos meninos criados com o maior amor do mundo ,e ainda hoje existe sem limites ,não vou dizer muita coisa ,porque não tenho o teu dom da escrita minha MANA querida ,o que eu digo hoje e sempre ,mãe MÂE com M M M M muito grande ,,,parabéns MÂE,,minha Mana

VALTER FIGUEIRA disse...

Adorei seu blog, está de parabéns
retornarei aqui sempre.
todo dia.
um abraço

Anónimo disse...

MEU PENSAMENTO

TOCA O TELEFONE,PENSO ATENDO? SIM ATENDO,NUNCA SE SABE SE DO OUTRO LADO ESTÁ ALGUÉM QUE NOS DE OS BONS DIAS,QUE NOS ALEGRE O DIA.
SIM ,ERA UMA Amiga,MEU Deus Amiga É POUCO, PORQUE QUANDO OS NOSSOS DIÁLOGOS COMEÇAM POIS PASSAMOS A SER SÓ UMA PESSOA,.
OS NOSSOS MOMENTOS SÃO TANTOS,OS RISOS SÃO MAIS QUE MUITOS,OS NOSSOS GOSTOS SE ENVOLVEM ,SE ENTRELAÇAM,AS ALEGRIAS,OS MOMENTOS DIFÍCEIS,ESTÁ TUDO JUNTO,QUANDO DAMOS CONTA O TEMPO PASSOU,MEU Deus EM QUE TEMPOS E EM QUE ERA NÓS
ANDAMOS PARA QUE TUDO SE ARRUME, TAO BEM EM DOIS SERES QUE SÓ PODEM TER ANDADO EM OUTRAS VIDAS,OUTROS TEMPOS E QUE Deus JUNTOU DE NOVO.
NESTA VIDA POIS ESSA AMIGA QUE EU FALO É MINHA MANA DE CORAÇÃO ,QUE JAMAIS ME IMAGINO PERDE-LA POR ALGUMA RAZÃO A NÃO SER,A QUE DEUS NOS TERÁ DESTINADO DE NOVO. O CAMPO VERDE,O MAR, O AR PURO QUE TANTO NOS APROXIMA.A VERDADE DAS PALAVRAS QUE TROCAMOS, ENFIM O QUE SINTO MUITAS VEZES NEM EU SEI DISTINGUIR ,PORQUE É REALMENTE MUITO PROFUNDO.
ME LEMBRO DE UMA FRASE QUE SE COSTUMA DIZER .......O HOMEM PÕE E DEUS DISPÕE...MAS EU AQUI ATREVO-ME
A DIZER ......O HOMEM PÕE MAS DEUS COMPÕE............FICA COM DEUS MINHA MANA .....DEIXO AQUI A MINHA ESPERANÇA.......O MEU PENSAMENTO......