....

domingo, 24 de agosto de 2008

Vem amanhecer-me


Vem amanhecer-me
Com a tua suave mão
No meu cabelo aninhada...

Vem espreguiçar-me
O sorriso apaixonado
Nesse teu quente beijo...

Vem enroscar-te em mim
Na alma que te recebe
Neste ondular acostumado...

Vem acordar-me
No silêncio arrumado
Por ti achado...

Meu sereno olhar...

Manuela Fonseca

5 comentários:

Maria disse...

Belo! Um amanhecer, um espreguiçar, um enroscar e depois, claro, um acordar... como poderias não acordar?
:)))

Um beijo, Manuela

Marta Vasil disse...

Que bela forma de amanhecer e que bela forma de entardecer enroscada no seu lindo poema.
Beijinhos

MV

O Profeta disse...

Uma rosa breve
Uma hortênsia de alva cor
A terra molhada pelo sereno
Nos celeste paira um Açor

A madeira verde, a dança do fogo
O embalo do loureiro no vento, o alecrim
Um ribeiro de inquietas águas
Levam o perfume das mágoas em viagem sem fim


Convido-te a sentir a minha paleta de aromas


Mágico beijo

ROQUE RASCUNHO disse...

Lindos versos... a vida existe mais nas letras ou nas tardes sem graça? Vi que existe bastante vida aqui. Bjs

Vanda Paz disse...

tinha saudades de te ler

muitas

beijos